Tuesday, January 23, 2007

Blues à tarde( com flauta doce...)


Pausa à tarde ecoa flauta doce
Pelos canteiros da avenida
Brilha um alecrim-de-angola distraído
O charuto cubano mantém-me sóbrio
Apesar do cheiro de anis,
(não aspiro à pressa dos prédios e dos homens)
Os elevadores presos no subsolo
Deixa-me com sensação de liberdade e improviso
(lembra-me blues, solos de blues)
Ainda tenho uma ampulheta,
Uma estatueta de louça
Fotos onde amarelam sorrisos brancos de tantos amigos
(todos ali estáticos como se não houvessem partido)
Um sax americano dos anos sessenta
E alguns selos antigos
(o camelô da esquina vendia-me até sonhos...)
mas o charuto cubano é legítimo
essa lágrima que verte sozinha, é legitima
o verso que hoje não escrevi
fez-se por si e é legítimo
e essa pausa na tarde que ecoa flauta doce,
faz o sol pôr-se em mim, sol em mim
solos de blues,
solos de blues,
solos de mim...

2 comments:

Lu Oliveira said...

"...e essa pausa na tarde que ecoa flauta doce,
faz o sol pôr-se em mim, sol em mim"
PERFEITO!!!
Bem elaborado,ritmo fantástico...
Você é show...

Lu Oliveira said...

Esse blue fez nome e imortalizou-se na ABL... Parabéns ao poeta e a poesia!!!
Com muito ogulho de vc...
Bjs,
Lu Oliveira